"Se preocupar menos com as angústias do dia-a-dia, parar e observar a realidade, e se encantar com o cotidiano, com o comum. Isso é a Fotografia Contemplativa!"

 

 A Fotografia Contemplativa, (também chamada de Miksang e Mindfulphoto) pode ser entendida como um estado mental aberto, curioso, sem julgamento, concentrado em apenas ver. Antes de uma técnica de fotografia é uma forma de ver o mundo e de viver. É a experiência visual direta, não conceitual, ou seja, a pura percepção. É uma prática ligada à meditação que, buscando ver a realidade sem pré-conceitos, fórmulas, definições, ansiedades, objetivos, apenas ver, visa trazer nossa visão para o presente, para o dia-a-dia, para o real, abrindo nossos olhos e permitindo ver o “novo” no cotidiano, ver beleza e criar arte. A proposta é trazer a arte para a vida cotidiana, e a vida cotidiana para a arte, entendendo que as boas imagens não estão no raro e no inusitado, ou no diferente, mas em tudo. Mas nossos olhos da razão (olhar conceitual) não enxergam isso. Os do coração, da percepção, dos sentidos, estes sim enxergam! (Texto: Yuri Bittar, 2015) Leia mais...

"A Fotografia Contemplativa é, acima de tudo, ter a percepção aberta, sair do automático, e apreciar o mundo. Esta prática se origina em ensinamentos budistas e de meditação, mas não é uma prática religiosa, apenas uma nova forma de ver o mundo."

Ao contrário dos demais tipos de fotografia, a Fotografia Contemplativa não pode ser definida pelo seu resultado. Ou seja, ao olhar uma fotografia nunca podemos dizer se é ou não Fotografia Contemplativa. É preciso saber como foi feita. Se foi feita como uma prática contemplativa, com o uso da percepção, e não de conceitos, ela será uma Fotografia Contemplativa. Essa prática coloca a fotografia presente em nosso dia-a-dia e busca mostrar a riqueza e beleza do cotidiano, normalmente ocultos pela visão conceitual, bem como nos reconectar à nossa própria percepção. Se busca ter "o bom olho", ou seja, ver com clareza e frescor, clicar com o coração, notar os milagres do dia-a-dia que normalmente passam despercebidos. É um conceito de fotografia muito diferente, onde o importante é o fazer, e não o resultado.

Conheci essa prática em 2011 a partir de um comentário de uma amiga em uma foto minha. Em 2012 ganhei de um amigo e li o livro "The Practice of Contemplative Photography: Seeing the World with Fresh Eyes", de Andy KARR e Michael WOOD e no mesmo ano tive a feliz oportunidade de fazer uma oficina com Andy Karr. Desde então tenho lido, praticado e ensinado (vejam minhas oficinas aqui). Atualmente faço uma pesquisa de doutorado no tema, utilizando a fotografia contemplativa dentro do ensino na área da saúde. A prática dessa técnica tem causado forte impacto na minha vida, e já vejo como mais que uma técnica, mas sim um estilo de vida, um modo de ver e se relacionar com o mundo e buscar qualidade de vida. Não há aqui reflexões sociais ou crítica, mas apenas imagens, que nos causam algo, ou surgem porque algo nos afetou. A vida é uma sequência de instantes e tento captar alguns, pedaços da vida, imagens que, espero, falam por si mesmas.

Entendo a Fotografia Contemplativa como uma prática de Meditação Mindfulness , e tenho me aprofundado e profissionalizado nessa prática, que tem por trás muita pesquisa científica e vasto material de pesquisa:

"O estado mental de “Mindfulness” pode ser induzido ao focarmos nossa atenção intencionalmente na experiência direta do momento presente, numa atitude aberta e não-julgadora. Segundo Jon Kabat-Zinn, um dos responsáveis pela “ocidentalização” das práticas de mindfulness com foco na saúde, “Mindfulness é a simplicidade em si mesmo. Trata-se de parar e estar presente. Isso é tudo”."

[ENGLISH] The Contemplative Photography, or Miksang, or Mindfulphoto, before a photography technique is a way of seeing the world and to live. It aims to search for a new look for our day-by-day. The proposal is to bring art to everyday life, and everyday life to art! The good pictures are not in the rare and unusual, or in the different, but in everything. What needs to be different, unique, creative, is the eye of the photographer. But our reason eyes do not see that. The perception of heart, the of the senses, yes! No are here social criticism, but only images that cause us something, or arise because something affected us. Life is a sequence of moments and i try to capture some pieces of life, images that hopefully speak for themselves.